Os ministros mais amados pelos parlamentares no governo Bolsonaro

Por Redação/Veja 13/01/2020 - 09:43 hs
Foto: Reprodução

Titular da pasta da Saúde, Luiz Henrique Mandetta é um dos ministros mais bem avaliados pelos parlamentares no governo Bolsonaro. Essa conclusão é de uma pesquisa da consultoria Arko Advice feita com 96 congressistas de vinte partidos entre 10 e 17 de dezembro último. O trabalho avaliou o desempenho de onze dos 22 ministros. Mandetta era um deputado do baixo clero do DEM-MS antes de assumir a pasta, que terá orçamento de 125,6 bilhões de reais em 2020. Sua nota foi 3,6, sendo que 5 era a avaliação máxima. “O Mandetta tem boa interlocução com o Congresso, uma base de apoio ligada à área da saúde e chefia um ministério muito importante em termos de demandas políticas”, afirma Murillo de Aragão, colunista de VEJA e responsável pela pesquisa.

A mesma nota de 3,6 foi concedida pelos parlamentares ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e à ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Freitas não se envolveu em conflitos e representou para os políticos a face “modernizadora” do governo, devido aos resultados que entregou, como o recorde de 27 leilões de concessões realizados em 2019

. Já Tereza Cristina tem prestígio com a bancada do agronegócio por ter defendido o setor ante os rompantes de Bolsonaro e de Ricardo Salles, titular do Ministério do Meio Ambiente, durante as crises ambientais. Salles, aliás, foi o terceiro ministro mais mal avaliado, com 2,6. É a mesma nota de Bento Albuquerque, o chefe de Minas e Energia, que tem relação conflituosa com o Congresso. O pior resultado é do chanceler Ernes­to Araújo, com 2,3.